2.5.06

Que falem depressa. Estendam-se
no meu pensamento.
Mergulhem a voz na minha treva como uma garganta.
Porque eu tanto desejaria acordar
dentro da vossa voz na minha boca.
Agora sei que as estrelas são habitadas.
Vossa existência dura e quente
é a massa de uma estrela.
Porque essa estrela canta no sítio
onde vai ser a minha vida.

Queimais as vossas noites em honra
do meu amor. O amor é forte.
Que coisa forte que é a loucura.
Porque a loucura canta minada de portas.
Nós saímos pelas portas, nós
entramos para o interior da loucura.
As cadeiras cantam os que estão sentados.
Cantam os espelhos a mocidade
adjectiva dos que se olham.
Estou inquieto e cego. Canto.
A morte canta-me ao fundo.
É um canto absoluto.


::
é um trecho do poema I de Poemacto, herberto helder fogo, 1961.

2 comentários:

Anônimo disse...

Nice idea with this site its better than most of the rubbish I come across.
»

Anônimo disse...

Great site lots of usefull infomation here.
»

 

Free Blog Counter