27.5.06

extra! as maravilhas da meta-alienação

não sei se foram as ostras no delicioso jantar de ontem ou uma irrecuperável perda per se do ego, mas essa madrugada acordei em meio a um sonho fundo, no qual eu não figurava nem como personagem, nem como observadora, quer dizer, era um eu mais que apagado, era inexistente, não era eu.
talvez o superego estivesse mantido, já que, ironicamente, o sonho se passava num hospital para desorientados, tresloucados, dementes, doidões e todo tipo de insano mental.

2 comentários:

Marcio disse...

oi júlia. você pode achar bobagem, mas eu acho confortante observar a sua vida daqui, através das palavras que você publica.
minha está de pernas pro ar, você nem imagina, e tudo tem escorregado de mim, inclusive as palavras. só pretendo um dia ser louco o suficiente pra duvidar de fato da minha sanidade.
fica bem, minha querida.

Comunicação Interna disse...

perda per se do ego. perda per se do ego.

 

Free Blog Counter