7.10.06

sabe, meu bem, eu não quero enlouquecer again

você precisa, você precisa
(please stay,...)
não sei, leia na minha camisa
o Escalércio era maquinista e sempre implicava com os cafés que eu tomava, uns óculos escuros enormes, e uma camiseta listada com mangas: "usaria mangas na bolívia também?", dizia ele, que não entedia o nosso amor. bem, fiquei muito impactada quando soube do primo dele que tinha trabalhado no último reality show da televisão americana. descobriram que ele era brasileiro e não cubano, não sei que fim deu,

fiz menção ao letreiro delicatessen como sugestão de um estado de espírito que não há mais. queria a piada, meus olhos. estava sozinha, podia se ver pela aflição que a casaca do garçom alfinetava no meu braço. eu não queria que ele soubesse

que eu era uma daquelas pessoas que dão a tudo o nome de amor. chora-se sem valia.
no pátio interno o menino jogava o pião que eu era no cimento, gira
gira

4 comentários:

e as linhas disse...

o rodopio é uma maneira intensa de deter um ponto, me pensou depois de ler. e muita terra você traz nos bolsos, a umedecer a dor dos olhos que ardem. pode ser um tapa curto, seco. e o carinho de um sensível que abre-se para fora de si mesmo. você me abre. e não preciso me esconder. muitos textos constroem sim um saber infinito, e útil. eu prefiro mais ver as tuas plantas pelo perfume. toma uma folha de hortelã, eu te escolho.

agente laranja disse...

Shirley Horn cantando My Funny Valentine, já ouviu?

Marcio disse...

escalércio é tudo de bom! e a shirley horn cantando qualquer coisa é tudo de bom!
nós nos falamos em breve.
beijos.

jeff disse...

maluco e legal...

 

Free Blog Counter