16.6.06

o tempo descontado

"A grande peça que a biologia prega nas pessoas é que a gente já é íntima antes mesmo de saber alguma coisa a respeito da outra pessoa. No primeiro momento, já entendemos tudo. Um é atraído pela superfície do outro no início, mas também intui a dimensão mais profunda. E a atração não precisa ser equivalente: ela se sente atraída por uma coisa, você por outra. É a superfície, é curiosidade, mas então, pum! a dimensão profunda." Philip Roth

Eu sei desde aquela tarde, Manhattan, você me disse que gostava, não foi? No eco do seu esboço mora um juiz encalacrado, o fado dos seus antepassados está un-der-the-bridge. Não torci o seu desejo em fio-de-faca, o senhor me respeite, como as ramas da unha-de-gato
que suspendem pelas colunas as paredes verdes da sala, como as vértebras do medo na respiração
suspensa respiração que se estende, dá pra sentir as fibras do peito atrofiadas ou engatilhadas?

É assim desde
a sua ausência só me causa espaço
o das imagens que não gastei
dos retratos que eu não tive da onde tirar a ânsia do instante
e até do trair ao futuro
fiquei sem. Agora, eu vou me casar. Com um animal que me atravessa os braços, alcança a barriga e deita, sem humildade, ronrona.
De uma frase limpa não se esgota: se no seu correio eu chego curiosa:
como é que você sente ciúme?

2 comentários:

Marcio disse...

é tão bonito, júlia. mas é triste. não sei, não é nada com seu texto não, mas é que eu estava pensando esses dias: será que a gente pode se viciar em tristeza? quer dizer: só conseguir ver beleza na tristeza?

e as linhas disse...

vício
você é uma artesã e uma artista!

 

Free Blog Counter